Preço do gás de cozinha vai subir nos próximos dias em SC
07/11/2018 08:59 em NOTÍCIAS

O reajuste de 8,5% no preço do gás liquefeito de petróleo (GLP) nas refinarias da Petrobras, anunciado nesta segunda-feira pela estatal, deve chegar às cozinhas dos catarinenses nos próximos dias.

Porém, o sindicato dos revendedores em Santa Catarina diz que não tem como precisar de quanto será o aumento do botijão de gás de 13 quilos para o consumidor, porque os preços são variados e depende da margem de cada distribuidora e revendedora. 

Caso seja considerado o preço médio do botijão em SC no levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP) da semana passada, que era de R$ 67,8, um reajuste de 8,5% daria um aumento de R$ 5,6 no produto. 

 

No entanto, o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás (Sinregás-SC), Jorge Magalhães de Oliveira, não acredita que seja repassado o aumento integral no preço final, ou seja, o acréscimo deve ser inferior a esse valor:   

— Aquelas empresas que ainda têm estoque vão vendendo com preço antigo, e vão repassando aumento conforme vai sendo reabastecido. O preço é liberado e ninguém é obrigado a repassar, mas o aumento vai chegar ao consumidor final porque é na produção, então afeta toda cadeia. 

Oliveira explica que as distribuidoras que adquiriram unidades nesta terça-feira já compraram com aumento de preços, que depois deve ser repassado à revendedoras e, consequentemente, aos consumidores. 

Com a revisão do preço do GLP nas refinarias em 8,5%, o produto passa a ser vendido para as distribuidoras por R$ 25,07, um reajuste de R$ 1,97 por botijão. Mas esse preço da produção responde por cerca de 33% do produto, o restante é composto por impostos, custos de transporte e distribuição. 

Preço médio em SC

O levantamento da ANP mostrou que na semana de 14 a 20 de outubro, o preço médio do botijão de gás em SC era vendido a R$ 68,65 - o maior valor desde julho no Estado. Mas caiu nas últimas semanas e chegou a R$ 67,8 entre os dias 28 de outubro e 03 de novembro (último levantamento realizado pela agência). 

 

Porém os preços do produto variam bastante no Estado. Chapecó registrou o preço médio mais alto na última semana (R$ 81), e Itajaí o mais baixo (R$ 60,86). Em Florianópolis, o botijão de 13 quilos está sendo vendido, na média, a R$ 70,57. 

Preço do gás de cozinha vai subir nos próximos dias em SC  Salmo Duarte/A Notícia

Foto: Salmo Duarte / A Notícia

Fonte: Levantamento semanal da ANP
Cidades Preço médio
ARARANGUA 67,25
BALNEARIO CAMBORIU 75
BIGUACU 65
BLUMENAU 73,57
BRUSQUE 66,5
CACADOR 64,67
CHAPECO 81
CONCORDIA 72,25
CRICIUMA 66,67
FLORIANOPOLIS 70,57
ITAJAI 60,86
JARAGUA DO SUL 65,96
JOINVILLE 68
LAGES 67
LAGUNA 65
MAFRA 71,7
PALHOCA 65
SAO JOSE 65
TUBARAO 66,2
VIDEIRA 76,4
XANXERE 76,25

Reajuste trimestral da Petrobras

No ano, a alta acumulada nas refinarias é de 2,8%. Desde janeiro, a Petrobras reajusta o botijão de gás trimestralmente. Em janeiro e abril, os valores foram reduzidos e em julho, elevado.

"A desvalorização do real frente ao dólar e as elevações nas cotações internacionais do GLP foram os principais fatores para a alta. A referência continua a ser a média dos preços do propano e butano comercializados no mercado europeu, acrescida da margem de 5%", informa a Petrobras, no comunicado.

No release, a Petrobras ressalta ainda que o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) reconhece que o preço do produto para uso doméstico deve ser "inferior" e "diferenciado" aos praticados para o GLP com outras finalidades pelo seu "interesse para a política energética nacional".

FONTE: Po Karine Wenzel    FOTO: REPRODUÇÃO

 

COMENTÁRIOS