De herói a vilão, como o ar-condicionado pode trazer riscos à saúde
30/11/2018 09:59 em SAÚDE

Pneumologista alerta para os riscos do equipamento que dissemina bactérias, fungos e vírus se não for higienizado.

O técnico em manutenção Ronivaldo Delei de Andrade afirma que a manutenção periódica sai mais barata do que a troca.

Com a proximidade da chegada da estação mais quente do ano, os termômetros começam a ultrapassar a casa dos 30°C na região do Vale do Itajaí. Para amenizar os efeitos das altas temperaturas, o ar-condicionado se torna um dos principais aliados para transformar os ambientes mais agradáveis. No carro, no trabalho ou em casa, o equipamento acaba fazendo parte do dia a dia da população.

 

Este privilégio, entretanto pode trazer riscos à saúde, principalmente aos relacionados com o sistema respiratório, conforme aponta o médico pneumologista do Hospital Dia do Pulmão, Ricardo Albaneze.

– O início de estação é normalmente problemático, pois há um aumento de pacientes com problemas relacionados ao uso do ar-condicionado, como rinite alérgica e infecciosa, faringite, asma e infecções respiratórias, que são exacerbadas pela falta de umidade do ar – diz.

Albaneze completa que o equipamento também pode contribuir com a conjuntivite, pois com a baixa umidade a parte externa do olho resseca muito, provocando coceira e ardência ocular.

– O ar-condicionado acaba disseminando bactérias, fungos e vírus se não for higienizado.

Mesmo que aja um cuidado com a manutenção dele, o ressecamento do ambiente pode ser a causa de alguns problemas respiratórios – explica o médico.

O especialista alerta que pessoas com imunidade baixa estão mais suscetíveis aos riscos e de piora do quadro, por isso é importante fortalecer a defesa por meio de atividades físicas e vacinas adequadas. Além disso, higienizar o equipamento é questão de prevenção de problemas ainda maiores.

Importância da manutenção

O técnico de refrigeração Rodolfo Ribak esclarece que a periodicidade de manutenção do equipamento é variável, pois depende do ambiente que ele está exposto. Mas é aconselhável ao menos uma manutenção total anual seja feita e que todo o mês o próprio usuário pode fazer a higienização do filtro, que acaba retendo muita sujeira, muitas delas invisíveis.

– A limpeza é simples, pode ser feita apenas com água. Não há necessidade de produtos químicos, se quiser usar um detergente neutro até pode, mas nada com odor, que possa impregnar no equipamento e gerar mau cheiro no ambiente – afirma Ribak.

A evaporada faz toda a filtragem do ar que está no ambiente e todas essas impurezas ficam acumuladas. Locais com muita poeira, como fábricas necessitam de cuidados regulares, pois este processo é mais acelerado.

Segundo o técnico em manutenção Ronivaldo Delei de Andrade, 36 anos, os equipamentos instalados em facções de costura, por exemplo, precisam de limpeza uma vez a cada três meses.

– A manutenção periódica é mais barata. Muitas vezes a pessoa fica doente e acha que é em virtude do tempo, mas é por causa da sujeira – pontua o profissional que está na área há 13 anos.

 

Desde o início do ano, todos os edifícios são obrigados a fazer a manutenção dos ar-condicionados. É o que determina a Lei 13.589/2018, que torna obrigatória a execução de um Plano de Manutenção, Operação e Controle (PMOC).

Arte Jornal de Santa CatarinaFOTO:Arte / Jornal de Santa Catarina
FONTE:    Por Adriano Lins adriano.lins@somosnsc.com.br FOTO:PATRICK RODRIGUES/JSC
COMENTÁRIOS