Setor de tecnologia do Vale fatura R$ 3,4 bilhões em 2018, mostra estudo
19/08/2019 14:53 em Tecnologia

O setor de tecnologia do Vale do Itajaí faturou R$ 3,4 bilhões em 2018, resultado praticamente idêntico ao verificado no ano anterior (R$ 3,42 bilhões).

Em nível estadual, o desempenho do segmento também variou pouco, mas com leve avanço, de 1,7% – de R$ 15,53 bilhões para R$ 15,8 bilhões. Os dados constam em relatório divulgado na última semana pela Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate).

Dentre as seis regiões de Santa Catarina, a Grande Florianópolis segue como principal referência no ramo, com faturamento de R$ 6,7 bilhões, ou 42,5% do total. O Vale continua na segunda posição, com 21,4%, mas viu sua participação na composição das receitas diminuir um pouco em relação a 2017, quando respondia por 22%. Com isso, a distância para o Norte, o terceiro colocado, cuja participação subiu de 19,8% para 20,5%, ficou mais curta.

Ainda conforme o levantamento, o Vale fechou 2018 com 3,6 mil empresas do segmento, que empregavam em torno de 9,5 mil pessoas. Só em Blumenau já são 1.218 companhias do ramo.

Recém-comprada pela Ambev, a HBSIS, que inaugurou nova sede, é um dos destaques do segmento na região (Foto: Patrick Rodrigues)

O desempenho por região (participação em %) Valores em R$ bilhões

SC

2018: 15,8 2017: 15,53

Grande Florianópolis

2018: 6,7 (42,5%)

2017: 6,64 (41,4%)

Vale do Itajaí

2018: 3,4 (21,4%) 2017: 3,42 (22,2%)

Norte

2018: 3,2 (20,5%) 2017: 3,07 (19,8%)

Oeste

2018: 1,2 (7,7%) 2017: 1,26 (8,1%)

Sul

2018: 0,83 (5,3%) 2017: 0,86 (5,5%)

Serra

2018: 0,41 (2,6%) 2017: 0,48 (3,1%)

Fonte: Tech Report 2019 - Panorama do setor de tecnologia catarinense

Eficiência

De 13 polos de tecnologia do Brasil mapeados no estudo da Acate, o de Blumenau aparece na segunda posição em termos de produtividade. Na cidade, cada trabalhador agrega em torno de R$ 106,4 mil às receitas das empresas. Só o resultado de Florianópolis (R$ 113,9 mil) é melhor.

Escolaridade

Um dos pontos positivos do Vale na pesquisa é o nível de escolaridade dos profissionais que atuam na área de TI. Segundo o estudo, 43,3% deles têm ensino superior completo, o maior índice entre as seis regiões catarinenses.

Gênero

Por outro lado, o mapeamento revela que os homens ainda são grande maioria entre os profissionais do ramo. No Vale, apenas 31,4% dos integrantes das equipes das empresas são mulheres. Na Grande Florianópolis, o polo líder em tecnologia no Estado, essa proporção é praticamente meio a meio (49,3% são mulheres e 50,7% são homens).

618

 

Foi o saldo (diferença entre contratações e demissões) de novos empregos do setor de tecnologia do Vale em 2018. Em todo o Estado, o segmento abriu 3.225 novas vagas.

FONTE: POR PEDRO MACHADO FOTO: REPRODUÇÃO

COMENTÁRIOS