Por que o temporal atingiu algumas regiões de Blumenau e outras não?
08/01/2020 07:43 em NOTÍCIAS

Choveu na Rua XV, mas no Progresso, não.

O temporal que atingiu principalmente o Centro, Velha e Escola Agrícola, em Blumenau, destruiu telhados e causou ao menos uma queda de muro. A chuva forte caiu a partir das 14h e durou cerca de 30 minutos em alguns pontos.

A chuvarada caiu em regiões específicas e em outros pontos da cidade, não. Exemplo: no começo do Garcia, no Terminal da Fonte, deu trovoada. Já no Progresso, nadinha.

 

No Facebook do Santa, não era difícil encontrar comentários sobre o assunto. “Aqui no Jordão ainda tem sol”. “No Progresso nem uma gota”. “Aqui na Fortaleza só roncou”.

Mas, afinal de contas, por que dá trovoada em alguns lugares e em outros, a poucos quilômetros dali, não cai uma gota sequer?

A meteorologista do Sistema de Alerta de Eventos Extremos de Blumenau (AlertaBlu) explica que tudo gira em torno da cumulonimbus, a nuvem que traz a tempestade.

– O que determina onde chove ou não é o tamanho da nuvem. Essa nuvem da tempestade de hoje varia de tamanho, pode ter de algumas centenas de metros até dois quilômetros de extensão em média, podendo chegar a cinco quilômetros em alguns casos mais raros. Como ela é uma única célula de tempestade e não é tão grande, ela faz com que existe essa chuva isolada. Por onde ela passa, tem trovoada – explica Tatiane.

A meteorologista completa:

– Por isso o Sul da cidade e muitos pontos do Garcia não tiveram registo de chuva. E isso é bastante comum nessa época do ano, por isso que sempre nos referimos a essa condição como de pancadas isoladas, porque elas acontecem em um lugar, e em outro, não.

Umidade e calor

Tatiane Martins ainda explica que a cumulonimbus, nuvem que traz o temporal, é formada por uma equação simples: calor e umidade. Essa simples soma em períodos como o verão é capaz de trazer tempestades como a registrada nesta terça-feira (7) em Blumenau.

– A gente teve 36,3 ºC no Parque Ramiro Ruediger durante a tarde, e uma frente fria que passa pelo Litoral trouxe a umidade. Esses dois combustíveis à disposição na atmosfera fazem com que ela (a nuvem) se forme com mais facilidade – finaliza Tatiane.

 

Os acumulados de chuva foram de 17,4 milímetros no Parque Ramiro e 8,6 milímetros na Coripós, conforme o AlertaBlu.

FONTE: POR AUGUSTO ITTNER augusto.ittner@somosnsc.com.br

FOTO: Patrick Rodrigues

COMENTÁRIOS